Nem Neruda imaginaria o hidronegócio dos Rios Voadores da Amazônia. Por Roberto Malvezzi (Gogó)

EcoDebate

Tempos atrás, quando andei no Chile, numa das casas de Neruda, comprei uma de suas antologias poéticas. Lendo aqueles poemas, de repente fiquei surpreso: já na década de 40 do século passado ele pedia que o ar permanecesse livre. Tentei reencontrar a passagem na antologia e não consegui.

Hoje o Nordeste é tomado por torres eólicas e empresas privadas ganham fortuna com a privatização do vento. O mesmo acontece com o sol, quando setores desse governo e empresas privadas querem restringir a geração de energia solar como se o sol fosse sua propriedade privada.

Mas, o inimaginável, o avesso do avesso do avesso, acaba de acontecer. Uma empresa – Ô Amazon Air Water -, decidiu engarrafar água dos rios voadores da Amazônia para vender como uma das águas potáveis mais caras do mundo, cerca de RS 323,00 a garrafa. Foram buscar o H2O em estado perfeito, após a evaporação dos oceanos e a transpiração das árvores, antes que caia no chão, para evitar contaminação e criar um fabuloso nicho de mercado de água engarrafada, com o selo de qualidade amazônica. É o hidronegócio das nuvens. Nem Neruda, em toda sua vastidão e profundidade poética, conseguiria imaginar essa possibilidade.

Nós, aqui no Nordeste, desenvolvemos a captação da água de chuva em cisternas, mas depois dela cair sobre os telhados das casas. Também tem finalidade de saciar a sede dos que precisam de água, ou como água de produção, não como produto mercantil. Portanto, uma dimensão socioambiental e não como produto de mercado. Funciona.

A água de chuva, muito ao contrário do que muitos imaginam, se vier de uma atmosfera limpa, é a água mais descontaminada do mundo. Alguém percebeu isso e foi criar esse nicho de mercado na Amazônia, onde a atmosfera ainda é limpa, se não acabar toda contaminada por queimadas.

Pessoalmente, tiro o chapéu para a ganância capitalista. Sabem ver mercado onde nem um delirante poeta imaginaria, nem mesmo Pablo Neruda.

Viva a terra, o ar, o sol e as águas livres!

Roberto Malvezzi (Gogó)*,  possui formação em Filosofia, Teologia e Estudos Sociais. Atua na Equipe CPP/CPT do São Francisco. Membro da Equipe de Assessoria da REPAM (Rede Eclesial Pan Amazônica)

OBS: No Brasil celebramos a Semana Mundial da Água de 15 a 22 de Março. O dia mundial da água, firmado pela ONU, é 22 de Março.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

dezesseis − 2 =