‘Sementes no chão, fartura de pão!’: IX Festa da Troca de Sementes Crioulas é realizada em Mato Grosso

O evento exaltou a memória de Irmã Vera Lobo, agente pastoral histórica da CPT falecida em maio deste ano 

Por Júlia Barbosa | Comunicação CPT Nacional

No último sábado (21), a IX Festa da Troca de Sementes Crioulas foi realizada na comunidade tradicional de Brumado, no município de Nossa Senhora do Livramento, em Mato Grosso. Com o tema ‘Sementes no chão, fartura de pão’, a nona edição trouxe a memória da agente histórica da Comissão Pastoral da Terra Regional Mato Grosso falecida em maio deste ano, com o lema ‘Irmã Vera Maria Lobo virou semente… Irmã Vera Presente!’.

A IX Festa teve início com um café da manhã partilhado, com alimentos trazidos pelas famílias participantes. Logo em seguida, um momento de acolhida e apresentação de todas as comunidades presentes. A acolhida teve sequência com a realização de uma mística, exaltando a memória de luta e convivência de Irmã Vera junto às comunidades do campo de Mato Grosso.

Tendas temáticas

Para além da promoção da troca de sementes, a atividade contou com três tendas temáticas para reflexão e discussão coletiva, com os temas ‘Agroecologia é vida‘, ‘Plantas medicinais – promovendo o bem viver e o cuidado com a vida‘ e ‘Cerrado – plantar árvores, colher água‘. Divididos em grupos e com uma dinâmica de rodízio, todas e todos tiveram oportunidade de participar das três tendas de debate e contribuir com as discussões propostas.

Na tenda ‘Agroecologia é vida’, os enfrentamentos ao agronegócio e ao uso de agrotóxicos permeou o debate. “O agronegócio destrói a vida. Para nós, da agroecologia, sobrou a responsabilidade de gerar e preservar a vida”, afirmou Maria Valéria, da Comunidade Serragem e presidente da Cooperativa Nossa Senhora do Livramento. Valéria reafirmou, ainda, a importância de praticar a agroecologia não só para o cultivo, mas em todas as relações cultivadas em vida: “Se alguém está sendo violento/a em suas relações, é porque não está vivendo a agroecologia”, declarou.

O facilitador da roda de conversa, Roberto Prado, que é educador popular do Fundo Mato-Grossense de Apoio a Cultura da Semente (FASE/MT), também lembrou a origem devastadora dos hoje chamados defensivos agrícolas: “Agrotóxico é uma arma de guerra transformada em um insumo dito indispensável para o plantio”, destacou. Durante a roda, ainda houve a partilha sobre os impactos dos agrotóxicos na vida das comunidades e o enfrentamento às violências do agronegócio.

Na tenda da saúde ‘Plantas medicinais – promovendo o bem viver e o cuidado com a vida’, a mesma preocupação foi destaque nas reflexões. Maria do Carmo, da Comunidade Buriti do Atalho e do Grupo de Mulheres Amiga do Cerrado, expôs sua inquietação com a silenciosa contaminação por agrotóxicos pela população brasileira, tanto no campo, quanto na cidade, que também envenena o solo, as águas e o ar:  “Hoje é tanto veneno que colocam nas sementes transgênicas que a gente come e bebe desse veneno que nos adoece”, afirmou.

A roda de conversa na tenda ‘Cerrado – plantar árvores, colher água’ também abordou questões importantes sobre a valorização e preservação do bioma. “Nós somos o Cerrado. No dia que o Cerrado acabar, nós também morremos. O Cerrado precisa ficar em pé. Nós precisamos preservar essa troca de sementes e de experiências para preservar o Cerrado”, explicou Miguelina Campos, da Comunidade São Manoel do Pari, agricultora familiar e guardiã do Cerrado.

O futuro depende das sementes

Após as tendas temáticas, a tarde teve início com uma apresentação de Siriri, uma dança tradicional do Mato Grosso, pelas mulheres da comunidade. Em seguida, vários cantos e rezas foram entoados pelos camponeses e camponesas, reforçando a importância do cuidado com a terra do Deus dos pobres.

“Senhor, dai pão a quem tem fome e fome de justiça a quem tem pão” foi uma das orações que abençoaram as sementes crioulas partilhadas em seguida, num momento de troca e espiritualidade. Durante a partilha, um camponês contou que as sementes de milho trazidas por ele foram trocadas há mais de 30 anos, durante a primeira Festa da Troca de Sementes Crioulas, e que as mesmas já eram cultivadas há mais de 140 anos pela família com quem trocou pela primeira vez.

“Esta é uma festa da resistência camponesa popular, pois nosso futuro depende das sementes”, afirmou Gloria María Grández, agente voluntária da CPT/MT. Nas comunidades, as sementes crioulas representam a ancestralidade, a resistência na terra e a tradição de partilha, mas também defendem a possibilidade de um futuro fraterno, com soberania alimentar e popular.

Fotos: Júlia Barbosa | CPT Nacional

Deixe um comentário

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

onze − 3 =