Não há escapatória em Rafah, só podemos esperar o pior em nossa tenda enquanto as bombas caem

Um médico e psiquiatra de Gaza conta a sua experiência como deslocado em Rafah e garante que, embora se dedique à saúde mental, nada o preparou para o gigantesco sentimento de desesperança colectiva que reina na Faixa.

Por Bahzad Al Akhras, no The Guardian / Rebelión

Sou médico e psiquiatra e antes da guerra em Gaza mantinha uma rotina diária previsível. Ir trabalhar na clínica, visitar amigos e passar um tempo com minha família. Uma vida normal. Agora a minha família e eu somos refugiados em Rafah. Temos vivido nas piores condições imagináveis ​​desde que o exército israelita nos ordenou que abandonássemos a nossa casa em Khan Younis .

Passamos os dias esperando, fazendo fila para conseguir dois ou três litros de água potável , comida ou simplesmente farinha para fazer pão no fogo. Estamos há meses sem luz. Nos últimos dias, quando soubemos que Israel estava a preparar uma invasão terrestre de Rafah, aprendemos que não teremos para onde ir. Israel disse que evacuará os civis, mas como podemos acreditar nisso quando parece não haver nenhum plano e depois do que os vimos fazer repetidas vezes? A única coisa que nós, 1,4 milhões de pessoas aqui, podemos fazer é esperar o pior.

A vida parece um dia eterno que nunca acaba. Cheios de sofrimento e cenas de horror, tão frequentes que começaram a se confundir. Nossa nova rotina coletiva é ouvir e testemunhar a morte, sentar e caminhar com ela. Uma morte que parecia mais próxima do que nunca na noite de 12 de fevereiro, devido aos massivos bombardeamentos de Israel.

Passei a minha carreira em Gaza, trabalhando com saúde mental e traumas comunitários, mas mesmo isso não me preparou para a profunda desesperança que agora permeia a nossa comunidade. Quase todas as pessoas ao meu redor têm familiares mortos em ataques aéreos ou franco-atiradores israelenses, presos pelo exército israelense ou deslocados para outras áreas.

A incerteza é o que está nos matando aos poucos. Ninguém sabe quem será o próximo a morrer ou a perder a família. As três maneiras pelas quais os humanos lidam com perigos ou ameaças à sua sobrevivência são lutando, fugindo ou congelando. Não podemos lutar e não podemos escapar, por isso somos um povo congelado. Muitos de nós estamos assim há quatro meses.

Uma cidade congelada

Quando você está congelado, você não consegue agir ou sentir normalmente. As pessoas se transformam em zumbis. O que sinto quando espero nas filas pela água, quando converso com os vizinhos ou quando estou na clínica em Rafah é que os rostos das pessoas foram esvaziados de vida. Máscaras de medo, desesperança e embotamento emocional.

Há dias em que não sei como vou avançar mentalmente. Onde não sei como vou acordar na manhã seguinte e encarar o fato de que isso é realidade. Revivendo dia após dia o som dos bombardeios, o zumbido dos drones acima de nossas cabeças. Não posso mais receber notícias de entes queridos feridos ou mortos.

Quando crianças desenvolvemos a noção de que o nosso sentido de segurança e proteção está localizado em casa. Há poucos dias, fomos informados de que a nossa casa em Khan Yunis tinha sido bombardeada. Para onde iremos? Foi a primeira coisa que pensamos. Onde vamos morar? Quando uma pessoa perde sua casa, ela também perde aquela sensação de segurança.

A minha família e eu estávamos na tenda em que vivíamos quando começou o bombardeamento de Rafah. Do que uma fina camada de náilon pode proteger você? Isso não impedirá que estilhaços de bombas atinjam você ou sua família. Então olhamos para o céu e observamos os bombardeios aguardando o nosso destino. Sabíamos exatamente o que isso significava. O que poderíamos fazer?

Nossa família é pequena. Meu irmão, minha irmã e as gêmeas de quatro anos da minha irmã. O terror que vejo nos olhos das minhas sobrinhas me dá vontade de chorar. Os três adultos tentam ser fortes pelas meninas, mas não podemos esconder deles a realidade. Eles estão vivendo isso assim como nós. Onde quer que você vá, há crianças sem pais. Crianças sem parentes vivos.

Para nós, isto não é uma guerra. É um banho de sangue sem fim, mas enquanto o mundo assiste ao genocídio, nenhuma ação é tomada para evitá-lo. Nada do que está acontecendo conosco é justificável. Nenhum ser humano deveria passar por esse tipo de sofrimento.

O nosso medo é que os avisos de Israel sejam uma forma de preparação para o que está por vir, que as pessoas em todo o mundo tenham a ideia de que Rafah é um alvo para que ninguém se surpreenda quando nos matarem. Nada, exceto uma intervenção internacional, irá detê-lo. A comunidade internacional deve continuar urgentemente a pressionar por um cessar-fogo permanente. Pode ser a nossa única chance de sobreviver.

Artigo original publicado no The Guardian , tradução de Francisco de Zárate.

 

 

Deixe um comentário

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

13 − seis =