Qual o impacto do imperialismo nos preços dos alimentos e na agricultura camponesa e familiar?

O Brasil voltou para o mapa da fome, pois Bolsonaro coloca em risco a soberania alimentar e detrimento dos interesses das empresas estrangeiras, aponta Cássia Bechara, do CRI

Por Solange Engelmann, da Página do MST

Ao longo dos séculos vários povos enfrentaram a dominação da sua cultura, o roubo dos recursos naturais, o extermínio de indígenas, a escravidão dos negros e a invasão de territórios por países imperialistas.

Por que a dominação imperialista continua em pleno século XXI? O que mantém a dominação de poucos países ricos sobre outros países no mundo?

Alguns podem imaginar que não temos nada a ver com isso e que imperialismo é só mais uma palavra complicada… Mas, você sabia que o aumento no preço de alimentos e o boicote à agricultura camponesa e familiar estão relacionados aos imperialismo?

Para entender um pouco mais sobre o que é imperialismo, como ele age no mundo e suas consequências para os povos e países, entrevistamos a integrante do Coletivo de Relações Internacionais do MST (CRI), Cássia Bechara. Na entrevista, a militante também comenta sobre as ações de resistência dos movimentos populares à política de dominação mundial, e explica que o MST está organizando uma série de atividades para a Jornada Internacional Anti-Imperialista, que acontece de 05 a 10 de outubro, como parte de uma ação internacional construída pela Articulação Internacional dos Povos (AIP) em conjunto com outras redes internacionais.

Confira a entrevista na íntegra:

O que é imperialismo?

O conceito de imperialismo surge para designar a estratégia geopolítica de dominação da passagem do século XIX para o século XX. Segundo Lenin [revolucionário russo, principal líder da Revolução Russa de 1917 e primeiro presidente da Rússia socialista] o imperialismo não é apenas uma política ou comportamento dos estados. É uma fase avançada do desenvolvimento capitalista, que articula as necessidades do capitalismo para se desenvolver e as políticas de estado, que garantam essas necessidades. Ou seja, é uma política de estado sustentada em relações econômicas.

As tendências do capitalismo do século XX é marcada pela concentração (surgimento dos monopólios), superacumulação, através da dominação do capital financeiro e o desenvolvimento desigual.

Para viabilizar esse modelo de acumulação capitalista é preciso um entrelaçamento capital-estado. A concorrência no mercado mundial demanda o apoio e a presença constante do estado junto ao capital. A guerra passa a ser a principal forma de concorrência entre os interesses burgueses e entre os estados. O Estado Imperialista é necessariamente militarista e violento.

Como o imperialismo se desenvolveu ao longo da história?

Imperialismo é uma fase histórica particular de desenvolvimento do capitalismo, cujo início pode ser localizado em torno de 1880. Ele surge com o capital financeiro, em que os bancos investem na indústria e iniciam um processo de fusão do capital bancário com o capital industrial, disso se origina o capital financeiro.

O capital financeiro, além de criar um setor monopolista no mercado interno, volta-se para o crescimento da indústria bélica [das armas], o que implica em uma relação estreita com o aparelho do Estado burguês, que se militariza.

No livro “O novo imperialismo”, de David HARVEY, lançado em 2014, ele caracteriza a política de guerra, expansão territorial e investimentos estrangeiros dos Estados Unidos como “novo imperialismo”.

Mais de dez milhões de brasileiros hoje vivem em situação de insegurança alimentar no Brasil – Foto: Arquivo/Agência Brasil

Quais os impactos do imperialismo na agricultura camponesa e familiar e no preço dos alimentos no Brasil?

Temos uma política agrária que prioriza e promove o agronegócio. O agronegócio se tornou a aliança entre os grandes latifundiários, o capital financeiro internacional e as transnacionais. O capital financeiro internacional e as transnacionais são a face econômica do imperialismo atuando nos países. Essa é uma política que prioriza os interesses do capital internacional na agricultura brasileira.

Também há uma desvalorização da moeda do real frente ao dólar. E o que isso tem a ver com o nosso acesso aos alimentos? Com o dólar mais alto, as empresas ganham mais vendendo em dólar, ou seja, vendendo para o mercado externo.

O agronegócio não tem nenhum interesse em produzir alimentos – seu interesse é gerar lucro–, então faz tudo o que gera mais lucro. Ao exportar mais, consequentemente vai haver menos oferta de alimentos para o mercado interno. Com isso, as empresas passam a especular mais sobre os preços, o que significa um aumento no preço dos alimentos para o povo brasileiro.

Ao mesmo tempo, está em curso no país um boicote do governo à Agricultura Familiar e Camponesa, o exemplo recente é o veto, quase total, do governo Bolsonaro a Lei Assis Carvalho – PL735, de incentivo à Agricultura Familiar e camponesa.

Uma agricultura camponesa forte significa maior soberania alimentar, com um país menos dependente do mercado externo. O governo Bolsonaro coloca em risco a soberania alimentar brasileira para privilegiar os interesses das empresas estrangeiras, por isso voltamos para o mapa da fome. São mais de dez milhões de brasileiros que hoje vivem em situação de insegurança alimentar.

Quais os principais países imperialistas do século XXI e as consequências disso?

Os EUA, apesar de vivenciar uma crise de hegemonia no último período, seguem sendo o principal país imperialista do mundo. Mas há “imperialismos regionais”, como Israel, no Oriente Médio. Mas que só tem poder de atuar com o apoio de um imperialismo maior, os EUA.

Quais as principais ação dos movimentos populares atualmente na luta anti-imperialista?

Alguns movimentos populares do Brasil, como o MST, juntamente com as organizações da Alba Brasil, estamos organizando uma série de ações e atividades que denunciam as várias agressões do imperialismo em todo mundo, como parte da Jornada Internacional Anti-Imperialista, que acontece de 05 a 10 de outubro. Por isso, é importante nos envolver em todas as atividades e ações da Jornada.

Estamos organizando ações nacionais e estaduais, como o Lançamento Internacional do Manifesto Anti-imperialista. Também estamos preparando seminários para discutir o assunto, ações de solidariedade de doação de alimentos, doação de sangue e plantio de árvores nos territórios da Reforma Agrária, ato político, atividades culturais e agitação nas redes.

*Editado por Fernanda Alcântara

Imagem: Enquanto os Sem Terra doam alimentos e lutam pela soberania alimentar, Bolsonaro promove boicote à Agricultura Camponesa e Familiar. Foto: Lia Biachini

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

20 − dez =