No PR, atingidos protestam em frente ao canteiro de obras da UHE Baixo Iguaçu

No MAB*

Cerca de 200 pequenos agricultores protestam em frente ao canteiro de obras da Usina Hidrelétrica (UHE) do Baixo Iguaçu, em Capanema, Sudoeste do Paraná. A ação ocorre para pressionar o governo do estado e o Consórcio Energético Baixo Iguaçu, formado pela empresa Neoenergia e pela Copel, a apresentarem uma nova proposta de reassentamento às famílias que terão terras inundadas total ou parcialmente pela usina.

No dia 11 de outubro, em reunião entre as famílias, representantes do governo, do Ministério Público e da Defensoria Pública, a empresa deveria apresentar áreas já visitadas e aprovadas pelos atingidos para a realocação. No entanto, o Consórcio propôs uma indenização em dinheiro, que foi avaliada pelos atingidos como insatisfatória. Uma nova proposta deveria ser apresentada nesta terça-feira (18), mas até o momento não houve manifestação da empresa ou do governo.

“Os atingidos ficaram revoltados, pois a empresa descumpre os acordos e a negociação se arrasta”, afirma Guilherme Uchimura, advogado do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), do qual famílias afetadas fazem parte. “A pauta do movimento é de reassentamento coletivo, para que se mantenham os laços comunitários e para garantir uma terra justa”, explica. A obra deve afetar pelo menos 1025 famílias, moradoras dos municípios de Capanema, Capitão Leônidas Marques, Planalto, Realeza e Nova Prata do Iguaçu.

*Inforamções do Brasil de Fato/PR.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

4 × dois =