Em protesto à retirada de peça com atriz trans, mais um grupo teatral deixa a programação de Festival de Pernambuco

A peça Espera o Outono, Alice, do AMARÉ Grupo de Teatro, entra para a lista das montagens que decidiram sair da 25ª edição do Janeiro de Grandes Espetáculos

No Diário de Pernambuco

A peça Espera o Outono, Alice, do AMARÉ Grupo de Teatro, entra para a lista das montagens que decidiram deixar o 25º Janeiro de Grandes Espetáculos. A saída é um protesto à retirada repentina da montagem O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu da programação do festival.

O monólogo estrelado pela artista transexual Renata Carvalho iria ter três sessões no Teatro Barreto Júnior, mas foi excluído da grade por “questões que extrapolam os critérios artísticos”, de acordo com a Associação dos Produtores de Artes Cênicas de Pernambuco (Apacepe). Um episódio semelhante ocorreu no Festival de Inverno Garanhuns (FIG), no Agreste do estado.

Em nota oficial, o AMARÉ Grupo de Teatro (formado pelos atores Bruna Justino, Isabelle Barros, Natali Assunção e Paulo César Freire) afirma ser contra “qualquer forma de censura, machismo, racismo e homofobia” e que o cancelamento é um ato de “solidariedade a Renata e à produção do espetáculo”, retirado da programação por “pressões alheias ao mérito artístico da peça”. 

Altíssimo, de Pedro Vilela, e Solo de Guerra, de Cleyton Cabral, são as outros espetáculos pernambucanos que optaram por sair da grade do maior festival de teatro do estado, que neste ano conta com mais de 100 peças em uma programação realizada de 8 janeiro a 14 de fevereiro de 2019. A extensa grade está disponível no site do evento.

Confira o comunicado na íntegra:

“Nós, do AMARÉ Grupo de Teatro, queremos expressar nossa tristeza, choque e indignação para com a retirada do monólogo O evangelho segundo Jesus, Rainha do Céu da programação do Janeiro de Grandes Espetáculos, por conta de pressões alheias ao mérito artístico da peça. Queremos deixar claro que somos contra toda e qualquer forma de censura, machismo, racismo e homofobia e, em solidariedade a Renata e à produção do espetáculo, decidimos cancelar nossa participação no evento, que ocorreria no dia 24 de janeiro, com sessão única do nosso trabalho mais recente, Espera o Outono, Alice.

Fazer teatro no Brasil não é fácil, todos sabemos. É preciso lutar contra a falta de verba, falta de público e até contra a falta de incentivo e compreensão de parte da sociedade com relação à natureza de nossa arte. Também reconhecemos que o festival foi colocado em uma situação muito difícil e precisava tomar uma decisão a fim de continuar suas atividades. No entanto, não nos sentimos à vontade para continuar na programação ao constatar que uma colega de profissão não terá a oportunidade de apresentar um espetáculo que, aliás, tem como tema justamente a tolerância, a união e a compreensão entre as pessoas.

O Janeiro de Grandes Espetáculos é um festival que conseguiu ser longevo justamente por conta da diversidade e pluralidade de suas atrações. Sendo assim, nos resta, mais uma vez, lamentar a não apresentação do monólogo O evangelho segundo Jesus, Rainha do Céu e defender o trabalho de Renata. Em momentos turbulentos nos quais supostas verdades absolutas tentam calar a arte e a diversidade, precisamos nos unir,ocupando os espaços e propagando nossas crenças e nossas vozes”.

***

Leia mais:

Janeiro de Grandes Espetáculos retira peça com Jesus trans da programação

Renata de Carvalho, em O evangelho segundo Jesus, rainha do céu. Foto: Luciane Pires /Divulgação

No Diário de Pernambuco

O Janeiro de Grandes Espetáculos, que havia anunciado a programação da 25ª edição na sexta-feira (21) com O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu como um dos destaques, voltou atrás e retirou a peça da grade. Em nota oficial, a Associação dos Produtores de Artes Cênicas de Pernambuco (Apacepe) aponta que outras ações judiciais e cancelamentos envolvendo a produção poderiam ter motivado a decisão.

A montagem protagonizada pela atriz e mulher transexual Renata de Carvalho no papel de Jesus já foi alvo de críticas e censura. Ela chegou a ser cancelada do 28º Festival de Inverno de Garanhuns, mas após mobilização e determinação judicial, foi encenada no último dia do FIG. Na ocasião, setores conservadores enxergaram a peça como “um desrespeito à religião”. Nas redes sociais, a atriz chegou a ser ameaçada de morte. 

“A atração nada mais é do que um drama teatral, que busca conscientizar e estimular a reflexão sobre a discriminação social de uma minoria, especialmente das transexuais e travestis”, escreveu o desembargador Silvio Neves Baptista Filho, do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), na liminar determinando o retorno do espetáculo à programação do evento.  

Outras tentativas de censura ao espetáculo também ocorreram em cidades como Jundiaí (SP), Salvador (BA) e Porto Alegre (RS), e no Rio de Janeiro, por ação do prefeito Marcelo Crivella.

Confira a nota da Apacepe:

De forma a garantir a realização do 25º Janeiro de Grandes Espetáculos, a Associação dos Produtores de Artes Cênicas de Pernambuco (Apacepe) informa a retirada da peça O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu da programação do festival. Por questões que extrapolam os critérios artísticos, o espetáculo, que já motivou ações judiciais e passou por outros cancelamentos, infelizmente não estará mais na grade do Janeiro 2019. A Apacepe reitera seu compromisso com a liberdade de expressão e mantém seu propósito de abrir as portas para toda e qualquer manifestação artística.

Destaque: Encenado pelo AMARÉ Grupo de Teatro, o espetáculo tem o elenco formado por Gustavo Soares, Isabelle Barros, Micheli Arantes e Natali Assunção. Foto: Arnaldo Sete/Divulgação

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

3 × 4 =