Obrigado por mostrar como se faz, Jacinda Ardern

Com proibição de armas de estilo militar, apoio às vítimas e solidariedade a muçulmanos, premiê mostra que a política pode ser algo simples e feito com sensibilidade e sensatez

Por Martin Muno, Deutsche Welle

Quando pessoas indefesas são mortas por terroristas, sentimentos como incredulidade e horror são dominantes. Os políticos se refugiam em lugares-comuns. Outros exigem leis mais rígidas ou condenam grupos sociais inteiros por ações individuais.

O exemplo da Nova Zelândia mostra como se pode lidar de forma diferente com um ato sanguinário tão terrível – e isso se vê principalmente nas atitudes da primeira-ministra Jacinda Ardern. Depois do ataque a duas mesquitas em Christchurch, ela acertou várias vezes.

Ardern usou um lenço na cabeça quando visitou a comunidade muçulmana da cidade. Abriu a sessão parlamentar seguinte à tragédia com a saudação de paz em árabe as-salamu alaikum (“que a paz esteja convosco”). E ela se recusa a nomear o autor dos atentados. Sua mensagem é: estou do lado das vítimas muçulmanas, e os muçulmanos são parte da nossa sociedade.

Pouco depois dos ataques de autoria de um atirador extremista de direita e islamófobo, Ardern anunciou o endurecimento da lei de armamentos – uma medida que foi concretizada de maneira rápida e sem burocracia pelo governo. Depois disso, fica proibida a venda e a posse de armas semiautomáticas de estilo militar e armas de assalto. O governo vai recomprar essas armas dos cidadãos que as adquiriram legalmente, medida que deverá custar cerca de 120 milhões de euros à Nova Zelândia.

Às vezes, a política pode ser algo simples, feita com sensibilidade e sensatez: ignore o autor dos ataques, nomeie as vítimas, dê voz ao sofrimento delas. E prometa a elas fazer todo o possível para que algo assim jamais se repita – dificultando o acesso a armas semiautomáticas. Pois, em quase todo o mundo, sabe-se que menos armas significa mais segurança (e onde essa máxima não é conhecida, há mais coisas dando errado).

“Onde há perigo, lá também cresce o que salva”, diz uma frase do poeta alemão Friedrich Hölderlin, com a qual se pode descrever sucinta e resumidamente os últimos acontecimentos na Nova Zelândia. Está na hora de agradecer à primeira-ministra Jacinta Ardern por sua postura após o ataque terrorista de Christchurch.

Imagem: De lenço na cabeça, Jacinda Ardern encontra membros da comunidade muçulmana – Picture-Alliance /ZUMAPRESS.com

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

dezesseis − 8 =