Brasil e Nova Zelândia: 2 atentados similares e 2 visões políticas opostas

por Gisella Meneguelli, em greenMe

Brasil e Nova Zelândia, dois países tão distantes e, aparentemente, com quase nada em comum, a não ser terem passado por um mesmo tipo de experiência este mês: um atentado com arma de fogo. O que o Brasil pode aprender com a maneira como o país da Oceania está lidando com esse trauma?

Diferentemente do Brasil, em que algumas autoridades políticas declararam, após o atentado em uma escola em Suzano (SP), que se os professores estivessem armados poderiam ter evitado a tragédia, a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, teve uma atitude complementa oposta. Ela anunciou que o país proibirá a venda e recolherá armas semiautomáticas e fuzis para evitar um novo caso como o do atirador que matou 50 pessoas em duas mesquitas na cidade de Christchurch, no dia 15.

Ardern disse à BBC que:

“O que a Nova Zelândia experimentou aqui foi a violência trazida contra nós por alguém que cresceu e aprendeu sua ideologia em outro lugar. Se quisermos garantir globalmente que somos um mundo seguro e tolerante e inclusivo, não podemos pensar sobre isso em termos de fronteiras”.

A primeira-ministra também declarou que não compactua com a ideia de que a imigração é a causadora do racismo, contra-argumentando o manifesto deixado pelo atirador sobre esse tema. A Nova Zelândia é um país acolhedor e, portanto, rejeita a xenofobia.

Por causa dessa característica, Ardern defende a responsabilidade de eliminar qualquer ideologia de cunho racista no país, a fim de que não se crie um ambiente para que o racismo ganhe espaço. Para garantir que não ocorram mais atentados na Nova Zelândia, a primeira-ministra está empenhada em restringir a posse e porte de armas semiautomáticos e fuzis. A proposta desarmamentista será analisada pelos parlamentares em abril. Ela conta, inclusive, com o apoio do líder do partido de oposição National Party, Simon Bridges.

Caso seja aprovada, os donos dos armamentos serão indenizados por entregarem-nos ao governo. O projeto deve custar o equivalente a R$ 500 milhões, preço a ser pago para garantir a segurança da população do país. Quem for pego com esses armamentos pesados será multado em até R$ 10 mil e poderá ser condenado a três anos de prisão.

A premiê está otimista com a aceitação da proposta.

“Acredito que a grande maioria dos proprietários de armas legalizadas na Nova Zelândia entenderá que esses movimentos são do interesse nacional e adotarão essas mudanças”, afirma.

Não é a primeira vez que o país tenta rever suas leis sobre armas nas duas últimas décadas, mas foi preciso acontecer uma tragédia para que essa revisão surtisse um efeito positivo.

Não se sabe a quantidade de armamento militar que circula no país em posse de seus habitantes. A população da Nova Zelândia apoia o endurecimento da lei, tanto que os deputados já receberam uma petição com mais de 65.000 assinaturas exigindo uma legislação mais dura.

Enquanto isso, aqui no Brasil, há quem endosse e defenda o decreto assinado, em janeiro, pelo presidente Jair Bolsonaro que facilita a posse de armas de fogo. Vamos esperar mais tragédias como a de Suzano para seguir o exemplo da Nova Zelândia? Tomara que não seja preciso e que comecemos logo a construir uma cultura de paz.

Imagem: Hagen Hopkins / Getty

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

três × dois =