O que pensam os brasileiros sobre os nossos povos indígenas?

No IHU

“O sentimento contrário aos povos indígenas cresceu de fato ou foram os ruralistas que começaram a gritar mais alto? Não estaríamos ecoando o discurso da poderosa oligarquia rural e reforçando a ideia de que eles traduzem o que “a maioria do povo brasileiro quer” quando, na verdade, estão apenas veiculando seu velho discurso racista e de manutenção de privilégios?”, questiona Leonardo Barros Soares, psicólogo, Mestre e Doutor em Ciência Política pela Universidade Federal de Minas Gerais. 

Eis o artigo. 

Às vésperas das festividades de 500 anos do “descobrimento” do Brasil, o Instituto Socioambiental (ISA), em parceria com o IBOPE, realizou a primeira e única pesquisa de opinião sobre os povos indígenas brasileiros de caráter nacional. Devido à sua singularidade temática e sobretudo aos achados surpreendentes por ela constatados, configura-se como uma pesquisa valiosa para os estudiosos do tema no país. Como se trata de uma época “pré-redes sociais” o que, portanto, significa para muitos uma época quase ágrafa, sem registros de existência, vale a pena recuperar suas principais afirmações.

No que se refere à imagem difusa que os brasileiros e brasileiras têm sobre os povos indígenas, as respostas conformaram um quadro surpreendentemente positivo: 88% dos respondentes concordaram que os índios conservam a natureza e vivem em harmonia com ela; 78% consideraram que os índios são bons, mas que aprendem coisas ruins com os brancos. Apesar dos 36% que consideram os índios violentos e perigosos, 89% concordam com a afirmação de que eles o são apenas com quem invade suas terras. Mais de 80% não considera os índios nem preguiçosos nem ignorantes, apenas com culturas distintas e formas de trabalho diferenciadas.

Incrível? Pois ainda tem mais.

No bloco de perguntas relativas aos direitos dos povos indígenas, 92% dos respondentes afirmaram concordar com a ideia de que os povos indígenas devem ter o direito de viver em suas terras de acordo com seus costumes; quando perguntados sobre a famosa expressão “muita terra para pouco índio”, apenas 22% concordaram com ela, ao passo em que os demais consideraram que há ou uma quantidade de terras razoável ou pequena para as necessidades dos povos indígenas. Além disso, 70% dos entrevistados não consideraram que os índios que “falam português e se vestem como nós” devessem perder o direito sobre as terras tradicionais. Convenhamos, são dados muito impressionantes, que demonstram claramente que a maioria dos brasileiros concordava, nos anos 2000, com a ideia de direitos territoriais indígenas.

Na sequência, no bloco de questões relativas a problemas enfrentados pelos povos indígenas e providências a serem tomadas pelo estado brasileiro, a invasão de terras indígenas pelos brancos foi considerado o principal problema, seguido do desrespeito para com seus valores e culturas e as doenças contraídas em contatos com a sociedade circundante. Para 14% dos respondentes, a “solução” (final?) para estes problemas seria deixar os índios serem extintos (massacrados, em outras palavras). Felizmente, 82% recusaram esta opção. A maioria também não achava que os  índios  devessem ser “preparados para viver como nós”, mas que poderiam ter uma educação que mesclasse a educação formal dos brancos com as formas tradicionais de conhecimento de cada sociedade. Implantar programas de  saúde e educação, demarcação de terras e programas econômicos foram apontados como medidas importantes a serem adotas pelo estado para que os povos indígenas pudessem continuar a viver e prosperar em sua condição singular.

Por fim, no bloco das questões relativas ao futuro dos povos indígenas, 78% dos brasileiros e brasileiras tinham respondido que se interessavam muito pelo tema. 45% criam que os povos indígenas permaneceriam em suas terras no futuro e conservariam suas culturas, ao passo em que 21% consideravam que eles migrariam cada vez mais para as cidades e assimilariam os costumes dos brancos.

O quadro traçado por esta pesquisa, realizada às barbas do século XXI, apresentava um quadro da opinião pública nacional amplamente favorável aos povos indígenas brasileiros. Há uma franca desconsideração dos estereótipos coloniais seculares do índio como preguiçoso, violento e ignorante. O próprio Márcio Santilli, que apresentou a pesquisa, comenta com incredulidade os resultados. Realmente, é algo que não deixa de impressionar os estudiosos do tema.

Seria interessante discutir a pesquisa e seus achados à luz da conjuntura da época, algo ao qual não me disporei a fazer aqui. De imediato, no entanto, se impõe a realização de uma nova pesquisa, dezenove anos depois, para aferir a variação da opinião pública a respeito dos índios desde então. Muita água rolou, nós sabemos: as inúmeras mobilizações indígenas em todo o Brasil, a construção de Belo Monte, a carta coletiva dos Guarani-Kaiowá, a morte de indígenas em situações de conflitos territoriais, a ascensão dos ruralistas, a eleição de Bolsonaro, para ficarmos em apenas alguns poucos exemplos. Enfim, todos nós temos a impressão de que o sentimento antiindígena recrudesceu no Brasil. Seria esta percepção corroborada por uma pesquisa empírica? Como aprendemos com esta  pesquisa pioneira do ISA/IBOPE, nem tudo que parece é.

Por fim, cabe questionar essa própria ideia acima anunciada: o sentimento contrário aos povos indígenas cresceu de fato ou foram os ruralistas que começaram a gritar mais alto? Não estaríamos ecoando o discurso da poderosa oligarquia rural e reforçando a ideia de que eles traduzem o que “a maioria do povo brasileiro quer” quando, na verdade, estão apenas veiculando seu velho discurso racista e de manutenção de privilégios? Na esfera etnoalucinatória da grande mídia e das redes sociais, tendemos a achar que a vaca já foi para o brejo há muito tempo e nada mais pode ser feito. Em meio ao tóxico ambiente das polêmicas midiáticas e do senso comum galopante, é muito bom poder trabalhar com dados concretos que nos confrontam com uma realidade inesperada. Conhecer pode ajudar a superar o fatalismo com que lidamos com a questão indígena no Brasil.

Agora, é trabalhar para que tenhamos outra pesquisa desta natureza em breve.

Foto: Guilherme Cavalli/Cimi

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

4 + vinte =