Mandetta é recebido no MS com protesto contra mudança na saúde indígena

Ministro e secretário de Saúde percorrem obras do hospital da mulher e da criança e do Hospital Regional de Dourados

Por Helio de Freitas, no Campo Grande News

O ministro da Saúde Henrique Mandetta foi recebido com protesto nesta sexta-feira (8) em Dourados, a 233 km de Campo Grande. Índios e profissionais que trabalham nas aldeias o esperaram com faixas e cartazes na obra do Hospital da Mulher e da Criança, anexa ao HU (Hospital Universitário).

Na cidade para vistoriar a obra da unidade anexa ao HU e a construção do Hospital Regional de Dourados, Mandetta anunciou que a ideia do governo é cobrar meta das ONGs que cuidam da saúde indígena no país. O ministro estava acompanhado do secretário estadual de Saúde Geraldo Resende.

Os manifestantes reclamam da proposta de municipalização da saúde indígena, atualmente sobre responsabilidade da Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena) e executada por profissionais contratados através das ONGs.

Mandetta conversou rapidamente com os manifestantes e ouviu pedidos para discutir com a comunidade e com os profissionais que trabalham nas aldeias antes da mudança.

Eles rebatem o argumento do ministro de que muito dinheiro é investido na saúde indígena do país sem que o atendimento tenha qualidade.

“O Brasil talvez seja um dos países que mais investem em saúde indígena. Quando se faz o cálculo [do valor investido] daria para fazer uma saúde de primeiríssima qualidade”, afirmou Mandetta em entrevista à rádio Grande FM.

Ele continua: “o atual sistema é paralelo ao SUS, mas só atende a atenção básica. Quando os índios precisam de uma internação hospitalar eles ‘caem’ no SUS, embora tenham um sistema de atenção básica extremamente caro”.

Meta – O ministro disse que o atual modelo é totalmente terceirizado através das ONGs, uma delas é a Missão Evangélica Caiuá, com sede em Dourados.

“As ONGs recebem algo em torno de R$ 650 milhões ao ano, sendo R$ 490 milhões para a Missão Caiuá. Essa ONG faz um trabalho complexo em mais de 20 estados, mas ainda muito distante de compromisso de resultado. Vamos repassar o recurso, mas tem que ter meta”, afirmou.

Mandetta questiona o fato de a mortalidade infantil indígena ser de três a quatro vezes maior do que entre a população não índia. “qual a expectativa de vida? O câncer de mama, o câncer de colo da mulher indígena… [as ONGs] não têm compromisso com resultado nenhum”.

Ele disse que a maioria das aldeias indígenas brasileiras não tem saneamento básico e água tratada. “Só o saneamento e água tratada reduziriam a mortalidade infantil em quatro, cinco pontos”.

Segundo Mandetta, recentemente foi montado um grupo de trabalho incluindo o Conselho de Saúde Indígena e o Conselho Nacional de Secretários para avaliar o sistema.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

5 × um =