Bolsonaro é o primeiro presidente brasileiro a admitir a Operação Condor

“O capitão mais estúpido do planeta, arauto da truculência, se gaba de sua especialidade: matar”

Por Luiz Cláudio Cunha *, Congresso Em Foco

Jair Bolsonaro, o capitão-presidente eleito na democracia, acaba de fazer o que não fez nenhum dos generais-presidentes impostos pela ditadura de 1964: é o primeiro governante brasileiro a reconhecer publicamente a “Operação Condor” — a clandestina, secreta conexão multinacional de repressão montada na sangrenta década de 1970 pelos países do Cone Sul do continente, todos então submetidos a regimes militares que, a ferro e fogo, baniram a democracia da região sob o pretexto da cruzada anticomunista.

Em uma entrevista concedida ao jornalista argentino Alberto Armendáriz no Palácio do Planalto, — publicada como manchete principal na primeira página da edição de 1º de junho (sábado) do jornal La Nación, cinco dias antes do desembarque de Bolsonaro em Buenos Aires na quinta-feira passada (6), para uma rápida visita oficial à Argentina —, o presidente brasileiro avançou inesperadamente sobre o intocável tema da Condor.

Na última questão, o jornalista lembrou o presidente sobre uma polêmica afirmação dada à TV em 1999, quando ainda deputado federal, reclamando do “baixo” número de vítimas produzidas pela ditadura brasileira: “Mataram só 300? Deviam ter matado uns 30 mil, inclusive o Fernando Henrique Cardoso!…”, lamentou Bolsonaro, na ocasião. Para as combativas entidades de direitos humanos da Argentina, 30 mil é um número cabalístico e sensível, justamente a estimativa de mortos e desaparecidos na fase mais sangrenta da ditadura do general Jorge Rafael Videla — a chamada “Guerra Suja”, que assolou o país entre 1976 e 1983. É nesse contexto, de repente, que Bolsonaro menciona na resposta a La Nación a operação clandestina que ainda é um tabu entre os militares brasileiros:

La Nación — 30 mil mortos, na Argentina, é uma cifra muito relevante. Você acredita que esse número de mortos mudou algo para melhor na Argentina?

Bolsonaro — Não, não. Tivemos a Operação Condor entre vários países e os militares daquela época evitaram que o país caísse no comunismo. Foi isso o que aconteceu. Quantas pessoas morreram ou desapareceram e por quais motivos? Que cada país escreva sua história…

Na primeira página do La Nación: Operação Condor ganha, enfim, reconhecimento público de um presidente brasileiro

A repentina referência de Bolsonaro à embuçada Operação Condor, sem que fosse perguntado sobre ela, não é um ato de contrição, muito menos uma tardia e compungida frase de remorso diante do terrorismo de Estado que assombrou o Cone Sul há cinco décadas. A citação em tom de elogio parece mais o escorregão habitual de quem tem a língua sem controle e um desapego incondicional à inteligência. Na verdade, o nostálgico capitão agora lembra da Condor pelo que ela tem de pior. Em março de 2014, quando era apenas um deputado do baixo clero no sétimo e derradeiro mandato de sua estéril carreira parlamentar (só dois projetos de lei e uma única emenda constitucional aprovados em 27 anos como deputado), ainda sem aparecer como um improvável e ameaçador presidente dali a quatro anos, Bolsonaro já clamava por uma nova “Mercosul do Terror”, instigando uma ressuscitada conexão militar de repressão entre os vizinhos do Cone Sul: “Chegará o momento em que um novo 31 de março, ou uma nova Operação Condor, não serão suficientes para impedir o Brasil e a América Latina de serem lançados nos braços do comunismo”, suspirava.

Chumbo e suicídio

Pelo que diz reiteradamente — sem vergonha — nos últimos anos, Bolsonaro é provavelmente o governante mais letal, estúpido e grosseiro do planeta. Ninguém definiu melhor a grotesca figura do presidente brasileiro do que o prefeito de Nova York, Bill de Blasio, liderando a rejeição da maior cidade americana à presença do capitão, em abril passado, onde seria homenageado com um jantar de gala: “Jair Bolsonaro é um ser humano perigoso. Seu racismo evidente, homofobia e decisões destrutivas terão um impacto devastador no futuro de nosso planeta”.

Algumas das frases rombudas com que ele mesmo se define, sempre transbordando os limites da vulgaridade e exalando paranoia: “Sou capitão do Exército, a minha especialidade é matar”(2017); “Prefiro filho morto em acidente do que vê-lo com um bigodudo por aí”(2011); “Mulher deve ganhar salário menor porque engravida”(2015); “O MEC é porta aberta para homossexualidade e pedofilia”(2011); “O governo deveria apoiar as milícias, já que não consegue combater o tráfico de drogas, e talvez legalizá-las no futuro”(2008); “Não entraria em avião com piloto selecionado por cota racial, nem aceitaria ser operado por médico cotista”(2011); “A PM tinha que matar mais no Brasil”(2015); “Quem não presta no Brasil é 70% do eleitorado”(2011); “O general Pinochet devia ter matado mais gente no Chile”(1998); “Sou preconceituoso, com muito orgulho”(2011); “Direita não, sou de extrema-direita” (2011). “O erro da ditadura foi torturar e não matar” (2016); “A [jornalista] Míriam Leitão estava chorando esses dias, na imprensa, porque foi torturada: ‘Botaram uma cobra no meu quarto’. Eu tenho pena da cobra!” (2014); “Gastaram muito chumbo com o [capitão e líder guerrilheiro Carlos ] Lamarca. Ele devia ter sido morto a coronhadas” (1996); “Lamento a morte de Vladimir Herzog, se foi suicídio ou morreu torturado. Suicídio acontece, pessoal pratica suicídio” (2018).

Cães e porcos

Durante três anos, entre 1972 e 1974, o país viveu a fase militar mais intensa de combate e extermínio à Guerrilha do Araguaia, concentrada em uma zona de densa mata no norte do Tocantins, que chegou a reunir até 8 mil soldados na caça a 80 guerrilheiros do PCdoB. Um episódio sufocado do conhecimento público por uma rígida censura à imprensa. Após três duras campanhas militares, 60 guerrilheiros estavam mortos, a maioria executada sob a tortura tão louvada por Bolsonaro, todos incinerados ou ocultos em covas na mata.

Em 2009, quando Bolsonaro cumpria o quinto de seus baldios sete mandatos como deputado federal, a Comissão de Direitos Humanos da OEA abriu uma ação contra o Governo brasileiro por detenção arbitrária, tortura e desaparecimento de 70 pessoas, entre guerrilheiros, camponeses e moradores da região do rio Araguaia. Em 2010, quando Bolsonaro se elegeu pela sexta vez, a Corte da OEA acatou a denúncia e condenou o Brasil por usar a Lei da Anistia para não julgar os militares envolvidos na repressão à guerrilha. Era um tema que, definitivamente, incomodava o capitão-deputado.

Para repelir as famílias dos mortos e desaparecidos na Guerrilha do Araguaia e desdenhar da denúncia da OEA, Bolsonaro, em acesso de inaudita boçalidade, mandou afixar em 2009 um cartaz grotesco na porta de seu gabinete na Câmara dos Deputados, tentando fazer piadinha com o que era apenas cruel, desumano: “Desaparecidos do Araguaia. Quem procura osso é cachorro”.

Ele mesmo, orgulhoso de sua gráfica patifaria, distribuiu a foto inacreditável.

Veja:

Quando era parlamentar, Bolsonaro posou ao lado de cartaz que ironizava as buscas por desaparecidos políticos da ditadura / Reprodução/Facebook

Apenas quatro meses após assumir a presidência da República, em 11 de abril passado, Bolsonaro completou a cachorrada: com o Decreto 9.759, ele extinguiu dois grupos de trabalho (GTs) que procuravam cientificamente os ossos de vítimas da ditadura militar, em São Paulo e no norte do Tocantins. O GT Araguaia, integrado por entidades ligadas às famílias dos desaparecidos, investigava o destino de quase 350 pessoas supostamente executadas na repressão à guerrilha da década de 1970. “Sem o apoio dos arquivos do período, baseado apenas em informações de camponeses da região e antigos agentes da repressão, localizamos nove ossadas em 2012”, disse Paulo Fonteles Filho, membro do GT Araguaia, contrariando a estúpida tese canina de Bolsonaro, que garantia em 2009 não existir mais ossos. O capitão mostrou essa óssea convicção com uma suína conclusão: “Os porcos comeram. Tenho pena dos porcos! ”.

O GT Perus trabalhava na identificação de 1.047 caixas com ossadas localizadas em 1990, na gestão da prefeita Luiza Erundina, em uma vala clandestina no cemitério Dom Bosco, em Perus, um distrito no extremo norte da capital paulistana. Em dezembro passado, um mês após a eleição do capitão-presidente, o GT recebeu o resultado de um exame de DNA enviado por um laboratório de Haia, Holanda, identificando outro corpo enterrado em Perus como indigente: era o bancário Aluízio Palhano Pedreira Ferreira, militante da VPR, morto sob tortura aos 48 anos, em 1971, no DOI-CODI de Brilhante Ustra, o herói conspícuo de Jair Bolsonaro.

A fábula da cafetina

Um capitão extremista com esse doentio arquétipo mental, que se ufana de sua primordial especialidade matadora, certamente nunca lamentaria o rastro de sangue e violência que a lúgubre Operação Condor deixou para trás nos seis países do Cone Sul — Chile, Argentina, Uruguai, Brasil, Bolívia e Paraguai — que ela sobrevoou na década de 1970. O que é notável, na entrevista do La Nación, é a intempestiva menção de Bolsonaro à multinacional do terror, que os militares brasileiros, envergonhados, sempre evitam citar ou fingem desconhecer. Não existe, nos poucos arquivos conhecidos da ditadura, nenhuma menção oficial à Condor.

Em dois anos de intensa pesquisa em milhares de documentos oficiais de entidades civis e militares e órgãos de inteligência, a Comissão Nacional da Verdade (2012-2014) foi alvo de sistemática sabotagem por parte dos comandos das Forças Armadas, que desdenharam e afrontaram uma instituição criada por lei e aprovada pelo Congresso Nacional — uma desobediência desconsiderada pelo ministro da Defesa Celso Amorim e pela inusitada apatia da comandante-em-chefe, a presidente Dilma Rousseff, talvez inibida por sua condição de ex-guerrilheira da organização VAR-Palmares, presa e torturada no afamado DOI-CODI do II Exército, em São Paulo. Apesar do estorvo deliberado e da má vontade explícita de oficiais-generais do Exército, Marinha e Aeronáutica e seus comandados, a CNV conseguiu superar os obstáculos e produziu a mais abrangente, séria, documentada e contundente investigação já realizada sobre a ditadura de 21 anos que dominou o país a partir de 1964.

O capitão-presidente, é claro, discorda dessa avaliação. Entre 2010 e 2018, conforme minuciosa apuração do repórter Gustavo Fioratti, da Folha de S.Paulo, Bolsonaro fez 500 discursos no plenário da Câmara dos Deputados, 56 deles mirando a Comissão Nacional da Verdade — todos igualmente encanzinados, grosseiros, parvos. Transtornado com a qualidade irrespondível do relatório final da CNV, o capitão-deputado fez mais uma azeda arenga na Câmara, em outubro de 2014. Para tentar atingir os comissários da CNV (um ex-procurador da República, um ex-ministro do STJ, três advogados, uma psicanalista e um cientista político), todos mais qualificados intelectualmente e dotados da urbanidade que não tem o capitão, Bolsonaro recorreu a uma fábula beócia de sua obstruída veia literária: “Esse relatório lembra a história das sete prostitutas que, chamadas para escrever sobre uma cafetina, concluíram que ela tinha que ser canonizada!…”.

A alucinada oposição de Bolsonaro à CNV não era apenas retórica. Descambava também para a rebordosa física. Em 23 de setembro de 2013, ele resolveu se intrometer na vistoria que a CNV realizava em um quartel da rua Barão de Mesquita, no bairro carioca da Tijuca, sede do 1º Batalhão da Polícia do Exército. Ali funcionou entre 1970 e 1979 o DOI-CODI do I Exército, um dos maiores centros de tortura do regime, onde morreram pelo menos 30 presos, segundo o relatório da CNV. Bolsonaro tentou participar da visita, para tumultuar os trabalhos e manifestar seu protesto. Ignorando a presença de senadores na comitiva, o capitão começou a bater boca e a trocar empurrões, inclusive com o senador Randolfe Rodrigues, que disse ter levado um soco do capitão valentão. Apesar da baixaria, Bolsonaro não entrou no batalhão e ficou na rua, resmungando sozinho sua frustração.

O valioso relatório final da CNV — que muitos citam, poucos leram e o indecoroso Bolsonaro certamente nunca irá estudar ou sequer folhear, por deficiência ou preguiça — se distribui por três densos volumes que somam 3.388 páginas, uma rigorosa autópsia do regime militar de 1964-1985, mas ainda insepulto na desarranjada cabeça do capitão-presidente

A repressão coordenada

Na sua histórica conclusão, a CNV lista os nomes dos 377 responsáveis pela morte de 434 pessoas, 210 delas ainda desaparecidas. Sempre focado na cadeia de comando, que aponta os comandantes que instruíram a violência institucional dos comandados, o relatório aponta corretamente, por ordem de hierarquia, os autores de graves violações dos direitos humanos cometidos pela ditadura que tanto encanta o capitão Bolsonaro. Lá estão todos os seus ídolos: os cinco generais-presidentes (Castelo Branco, Costa e Silva, Médici, Geisel e Figueiredo) e os três comandantes da Junta Militar que governou país por dois meses em 1969, além de seis ministros do Exército, sete da Marinha e cinco da Aeronáutica, três chefes do SNI e 24 chefes dos serviços de inteligência das três Forças Armadas — CIE, CENIMAR e CISA —, o braço executivo da repressão.

Na sequência estão os nomes dos outros 324 agentes civis e militares que produziram as torturas e mortes do terrorismo de Estado brasileiro, incluído ali o maior herói de Bolsonaro — o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra (1932-2015), que organizou e comandou por quatro anos o DOI-CODI da rua Tutoia, o mais sangrento do país. Ali, segundo a pesquisa da CNV, passaram 2.541 presos (a torturada guerrilheira Dilma Rousseff, inclusive), 51 não saíram vivos de lá (o “suicidado” jornalista Vladimir Herzog era um deles).

No minucioso trabalho de investigação da CNV, a Operação Condor louvada agora pelo capitão Bolsonaro mereceu um espaço generoso, o capítulo 6, sob o título “Conexões Internacionais: a aliança repressiva no Cone Sul e a Operação Condor”. Ocupa 55 páginas, com nomes, datas e fatos comprovados da colaboração clandestina entre os serviços da repressão militar na região, trocando informações, presos e técnicas de tortura que atravessavam fronteiras geográficas, limites legais e princípios éticos. Apesar disso, o que se constatou nos arquivos dos militares, da polícia política e do Itamaraty é que eles preservam o cirúrgico cuidado de nunca mencionar a palavra Condor, embora descrevendo sua típica conexão repressiva.

O abecedário letal

O Centro de Informações do Exterior (CIEx) do Itamaraty era um serviço clandestino da chancelaria brasileira, que não existia no organograma do ministério, mas tinha até verba secreta, criado para traficar informações e aliciar informantes nas embaixadas do país no exterior, especialmente nos centros que abrigavam os opositores exilados pelo golpe de 1964, concentrados exatamente na região do Cone Sul sobrevoada pela Condor. Ele atuava em conúbio com os agentes infiltrados nas embaixadas pelo CIE, CENIMAR, CISA e SNI — os serviços secretos do Exército, Marinha, Aeronáutica e Palácio do Planalto —, que formavam o abecedário letal do regime. Essa conexão produzia as informações e as decisões que tornavam a Condor operacional e eficaz. A cumplicidade de diplomatas e militares obrigou a Comissão Nacional da Verdade (CNV) a criar dois grupos de trabalho com áreas fronteiriças: o GT Operação Condor e o GT de Exilados e Estrangeiros.

Um grupo de 34 diplomatas, de conselheiros a embaixadores, esteve sob investigação no GT Estrangeiros, enquanto o GT Condor filtrava uma relação do Itamaraty com nomes de 194 adidos das Forças Armadas lotados em embaixadas brasileiras no santuário da Condor: 54 na Argentina, 49 no Uruguai, 48 no Paraguai e 43 no Chile. Os diplomatas e adidos militares desses postos tinham conhecimento, ou envolvimento ou participação ativa em pelo menos 17 casos de brasileiros desaparecidos no sul do continente (Argentina, Bolívia e Chile) em ações coordenadas da repressão regional. Adido não é uma função desprezível na carreira militar. Três ex-presidentes da ditadura passaram pelo cargo em diferentes embaixadas: Geisel em Montevidéu (1942), Costa e Silva em Buenos Aires (1950) e Médici em Washington (1964).

No ano do golpe, o Itamaraty possuía uma base de 86 embaixadas e 64 consulados que dariam o suporte para a rede internacional de vigilância e delação do regime. O repórter Cláudio Dantas Sequeira, que revelou a existência do CIEx em 2007 no Correio Braziliense, vasculhou 20 mil páginas de documentos com 8 mil informes ocultos nos arquivos do centro e descobriu que, das quatro centenas de mortos e desaparecidos da ditadura, 64 deles estavam lá, identificados nas pastas dedo-duro do CIEx.

O informe secreto

O secretismo que envolvia a Operação Condor só foi quebrado a partir da liberação de documentos secretos da CIA e do FBI no Governo Clinton, em 2000, revelando o nome e a existência da operação secreta. No entanto, em dois anos de pesquisa nos ralos arquivos a que teve acesso, a CNV encontrou um único, solitário documento do Itamaraty com a grafia da palavra maldita.

É o informe secreto nº 334, de 13 de setembro de 1977, produzido pelo Centro de Informações do Exterior (CIEx) Apenas esse informe ousa escrever a expressão “Operação Condor”, assim mesmo, para falar sobre a Condor no Uruguai. O telegrama secreto informa sobre o Partido Comunista local e sua ação no meio universitário, documento integrado ao informe nº 333, da mesma data, que levanta os nomes de quatro uruguaios do PC com conexões na Europa — especialmente Itália, Áustria, Suécia e União Soviética. A informação coletada em Montevidéu pela base do CIEx foi difundida, como diz o informe, para a rede brasileira da inteligência militar, devidamente identificada: a agência central do SNI, os serviços secretos do Exército (CIE), Marinha (CENIMAR) e Aeronáutica (CISA) e a 2ª Seção (área de segurança) do EMAER, Estado-Maior da Aeronáutica.

Veja:

Raridade: o único documento oficial do Brasil, encontrado pela CNV, que fala em Operação Condor

Na época desse informe, Bolsonaro, com 22 anos, tinha acabado de se formar na Academia Militar das Aguas Negras e, como aspirante a oficial, foi servir no 21º Grupo de Artilharia de Campanha no bairro carioca de São Cristóvão. Ele, na época, provavelmente nem sabia da existência da secreta Operação Condor, que hoje exalta pelo “combate ao comunismo”. Mas, a conexão repressiva no Cone Sul já existia, na prática, desde o governo Médici, no início da década. A Condor já tinha bico e garra em dezembro de 1970, só não tinha nome.

Sequestro com recibo

O ex-coronel de Cavalaria Jefferson Cardim de Alencar Osório, exilado no Uruguai, foi o primeiro insurgente armado contra a ditadura. Comandou em 1965 uma frustrada guerrilha de 23 guerrilheiros que durou 36 horas, no sul do país, até ser cercado e preso. Regressou ao exílio após torturas em três quarteis. Voltou a ser preso na Argentina na tarde de sexta-feira, 11 de dezembro, ao descer do ferry-boat que liga Montevidéu a Buenos Aires. A operação mostra a coordenação repressiva do Brasil em três países, marca singular da Condor. Jefferson ainda atravessava o Rio da Prata, junto com o filho de 18 anos e um sobrinho, quando começou a se mover a engrenagem da repressão.

O adido do Exército na embaixada em Buenos Aires, coronel Nilo Caneppa da Silva, informou sobre o trio de viajantes ao órgão de inteligência da Polícia Federal argentina, a Direção de Coordenação Federal. Com o carro cercado por quatro homens armados, Jefferson foi preso ao desembarcar, cena acompanhada de longe pelo coronel Caneppa. Os detidos foram levados até o gabinete do coronel Jorge Cáceres Monié, superintendente da inteligência, no último andar de um prédio na avenida Belgrano, no centro da cidade. Dali, já algemados e encapuzados, os presos desceram ao submundo do terror, no subsolo 4 do edifício. Lá, pai e filho apanharam, levaram choques, foram torturados inclusive com vela derretida no ânus.

Cáceres ligou para a embaixada brasileira e pediu a presença de Caneppa, que compareceu na companhia do adido da Aeronáutica em Montevidéu, coronel-aviador Leuzinger Marques Lima, justamente o homem que vigiava os passos de Jefferson no Uruguai. Na manhã de sábado, 12, Caneppa informou da prisão ao embaixador brasileiro, Antônio Azeredo da Silveira, a quem pediu um avião para levar os presos ao Brasil. Apenas 26 horas após a prisão, em pleno sábado, o ditador argentino de plantão, general Roberto Levingston — um presidente tampão entre os generais Juan Carlos Onganía e Alejandro Lanusse — assinou o decreto de expulsão. O embaixador descobriu em Buenos Aires, por acaso, um jatinho da FAB que servia ao ministro do Trabalho de Médici, Júlio Barata.

Esse foi um detalhe que salvou a vida de Jefferson e seu filho: o ministro era sogro de um sobrinho do preso e muito amigo de Corina, mãe do coronel. Assim que soube pelo ministro da prisão do filho, dona Corina avisou muita gente – e a notícia foi divulgada pelo mais famoso colunista social do país na época, Ibrahim Sued, que deu sua tradicional “bola branca” para a prisão de Jefferson. Prisão confirmada, assim, o preso já não podia mais ser “desaparecido”.

Na noite de sábado, o adido aeronáutico em Buenos Aires, coronel-aviador Miguel Cunha Lanna, avisou que a Aeronáutica, em Brasília, tinha autorizado o embarque de Jefferson e do filho no jato do ministro. Às seis horas da manhã de domingo, 13, eles foram retirados da cela e, ainda algemados, embarcaram em um comboio de quatro carros que tomou o rumo da base de El Palomar, sede da 1ª Brigada da Força Aérea, na zona oeste da capital. Militares brasileiros e argentinos uniformizados aguardavam na pista, ao lado do jatinho branco com o brasão da FAB. Mas eles só embarcaram após a chegada do Mercedes-Benz preto, com chapa diplomática e bandeirinha verde-amarela, de onde desceu o embaixador Azeredo da Silveira. O diplomata recebeu um documento, que leu e assinou. A ditadura brasileira recebia os presos e passava o recibo.

Jefferson e o filho viajaram algemados, vigiados por dois funcionários da embaixada, dois sargentos (armados com metralhadora INA e pistolas Colt 45) e o adido aeronáutico, coronel Leuzinger. O jatinho foi recepcionado na pista da base aérea do Galeão, no Rio de Janeiro, pelo comandante da 3ª Zona Aérea, João Paulo Moreira Burnier, o brigadeiro mais radical da Aeronáutica brasileira. Jefferson e o filho, de novo encapuzados, foram levados para a tortura de praxe nas celas do CISA, o serviço secreto da Força Aérea, comandado pelo brigadeiro Carlos Afonso Dellamora. Jefferson ficou sete anos preso. O filho ficou detido ainda dois meses, até ser libertado, de repente, sem qualquer processo.

O berço da Condor

O sucesso do primeiro voo da Condor, ainda sem nome, fez muito bem às carreiras de dois personagens centrais do sequestro em Buenos Aires. O coronel Caneppa ganhou como recompensa a promoção a general e, em 1973, foi nomeado diretor da Polícia Federal no Governo Médici, em Brasília. O embaixador Azeredo da Silva se deu ainda melhor: foi brindado com o posto máximo da carreira, assumindo o Itamaraty como chanceler do Governo Geisel, quando o Brasil ajudou a fundar oficialmente a Condor no Chile.

Em novembro de 1975, o abutre que já voava na prática ganhou nome e status formal como Operação Condor na reunião de cúpula da repressão das seis ditaduras do Cone Sul em Santiago do Chile, convocada pelo coronel Manuel Contreras, diretor da DINA, a Dirección Nacional de Inteligencia, a polícia política de Pinochet. Dissimulada como sempre, cínica como nunca, a ditadura do general Ernesto Geisel ainda assim tentava se manter oculta na reunião secreta de Santiago. Semanas antes, o coronel Contreras despachara ao exterior o seu braço-direito, coronel da Força Aérea Mário Jahn, para entregar pessoalmente os convites para a pomposa “I Reunião de Trabalho de Inteligência Nacional”.

Jahn confirmaria anos depois, na Justiça chilena, que os destinatários eram os chefes da repressão na Bolívia, Paraguai, Uruguai, Argentina e Brasil, mas lembrou de um único nome: o do convidado que visitou em Brasília, o general João Baptista Figueiredo, chefe do SNI e amigo de Contreras. Geisel precisou conter o entusiasmo de seu general, pronto para embarcar rumo ao Chile. Contrariando o pedido de Contreras, Geisel mandou rebaixar a comitiva brasileira de três para dois representantes, com ordens estritas para ouvir mais do que falar. Geisel não queria envolver o Brasil em ações coletivas de repressão, mas desejava preservar o espaço para ações bilaterais, caso a caso, quando necessárias.

Figueiredo recebeu uma última ordem do presidente: reduzir a participação brasileira à condição de mero “observador”, sem autorização para firmar nenhum documento. O Planalto corrigiu ainda um erro de destino no convite da DINA. O convidado não devia ser o SNI, por definição apenas um órgão de informação do presidente. A velada missão brasileira em Santiago cabia, por dever de sangue e de ofício, ao CIE — o Centro de Informações do Exército, o braço operacional no combate à luta armada. Dois oficiais do serviço secreto do Exército foram selecionados por Figueiredo, com a aprovação do general Confúcio Danton de Paula Avelino, chefe do CIE, e do general Sylvio Frota, ministro do Exército de Geisel.

Estranhamente, nem os documentos da CIA desclassificados no Governo Clinton conseguiram identificar os nomes brasileiros, ao contrário das delegações dos outros cinco países presentes no encontro do Chile. Após dois anos de intensa garimpagem a partir de 2005, vasculhando antigas fontes da repressão e ouvindo velhos serviçais da ditadura, o autor deste artigo conseguiu enfim descobrir a identidade da dupla brasileira na cúpula fundadora da Condor, revelada em 2008 com o lançamento do livro Operação Condor: o Sequestro dos Uruguaios — uma reportagem dos tempos da ditadura, ­publicada em 2008 pela editora L&PM.

O tio e o doutor

Os dois parteiros do Brasil no berço da Condor eram o coronel de Cavalaria Flávio de Marco (codinome Tio Caco) e o major de Infantaria Thaumaturgo Sotero Vaz (codinome Dr. Sabino). Eram do CIE, dois veteranos de ação decisiva no combate à Guerrilha do Araguaia, um preâmbulo perfeito da Condor. Em uma única operação de guerra interna, o Exército brasileiro executou em três anos no Araguaia, com êxito, o propósito que tinha a Operação Condor nas três fases com que assombraria o Cone Sul, na segunda metade da década de 1970: a coleta de informações na Fase Um, a caçada e a tortura em operações conjuntas na Fase Dois, o assassinato e o desaparecimento dos prisioneiros na Fase Três.

De Marco desembarcou no Araguaia em outubro de 1973, quando os 80 guerrilheiros estavam reduzidos a 56. Mandava e desmandava na ‘Casa Azul’, sede em Marabá do Estado-Maior do CIE, onde o coronel dispunha de duas equipes de matadores – códigos ‘Zebra’ e ‘Jiboia’ -, cada uma com seis homens, integradas por um capitão, um suboficial, dois sargentos e dois cabos. No total, os dois bandos mataram 19 guerrilheiros, nenhum deles em combate. O grupo remanescente de 56 guerrilheiros estava dizimado, reduzido a 10 combatentes, quando ‘Tio Caco’ deixou o Araguaia, em outubro de 1974. Um ano depois, em novembro de 1975, com a autoridade de um veterano na doutrina hunter-killer de contra-insurgência, De Marco estava em Santiago do Chile representando o Brasil no berço da Condor, mas sem autorização para firmar a ata de encerramento.

Ao seu lado estava o major paraquedista Thaumaturgo, um especialista em guerra na selva com curso na Escola das Américas, que desembarcou no Araguaia liderando 36 boinas-pretas da tropa de elite do Destacamento das Forças Especiais do Exército, do Rio de Janeiro. Dez anos depois, em 1984, Thaumaturgo assumiu o comando em Manaus do Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS), unidade de excelência nesse tipo de combate, frequentado por 103 oficiais estrangeiros entre 1966 e 1985, período mais crítico do combate às guerrilhas no Cone Sul. Alguns deles eram agentes chilenos da DINA, como reconheceu o próprio Manuel Contreras, revelando que a cada dois meses mandava oficiais para treinar na Escola Nacional de Informações (ESNI), em Brasília, complementando depois o curso no CIGS.

De Marco e Thaumaturgo não eram figuras acidentais na fundação da Condor. Foram escolhas diretas dos dois generais mais importantes da ditadura na época — o presidente Geisel e seu sucessor, Figueiredo —, o que define bem a hierarquia do envolvimento do Brasil com o bando criminoso que nascia no Chile. Ainda major, De Marco serviu com o coronel Figueiredo quando ele comandava o Regimento de Cavalaria de Guarda, no Rio de Janeiro. Tinha linha direta no Araguaia com o general Milton Tavares de Souza, o chefe mais temido do duríssimo CIE do Governo Médici. Voltou a trabalhar com Figueiredo quando ele assumiu a chefia do SNI, no Governo Geisel, e chegou a diretor administrativo do Palácio do Planalto no Governo Figueiredo. O coronel da Condor era da copa e cozinha no mais alto escalão da ditadura brasileira.

O major Thaumaturgo foi cadete na Academia Militar das Agulhas Negras e aluno do capitão Danilo Venturini. À época da fundação da Condor Venturini já era coronel em Brasília, comandante do Batalhão da Guarda Presidencial, que fazia a escolta do Planalto do general Geisel. Três anos depois, promovido a general, Venturini era o diretor da ESNI, a escola de informações do SNI, frequentada pelos rapazes da DINA do coronel Contreras. Durante todo o Governo Figueiredo, o instrutor de Thaumaturgo foi o ministro-chefe do Gabinete Militar.

O Brasil sai à francesa

De Marco e Thaumaturgo participaram ativamente da cúpula da repressão em Santiago. Obedientes a Geisel, mantiveram a postura discreta de “observadores” e, só por isso, o Tio Caco do CIE não pôde firmar o documento de encerramento do encontro, a que teria direito na condição de chefe da delegação brasileira. O coronel De Marco perdeu a chance de entrar na história e o Brasil saiu à francesa, envergonhado, do berço que deu asas multinacionais ao terrorismo de Estado no Cone Sul.  A ata final do encontro secreto, de fato, registra apenas as assinaturas dos chefes das comitivas da Argentina (capitão de navio Jorge Demetrio Casas, diretor de operações do SIDE, Servicio de Inteligencia del Estado ), Bolívia (major de Exército Carlos Mena Burgos, do SIE, Servicio de Inteligencia del Estado), Uruguai (coronel de Exército José A. Fons, subdiretor do SID, Servicio de Inteligencia de Defensa) e Paraguai (coronel de Exército Benito Guanes Serrano, chefe do G-2, Departamento de Inteligência do Estado-Maior das Forças Armadas) — além do jubiloso anfitrião do Chile (coronel de Exército Manuel Contreras Sepúlveda, diretor da DINA de Pinochet).

Embora sem assinatura na ata, o Brasil pegou logo o espírito da coisa. O entrosamento da irmandade da Condor era tão fluido que, menos de um ano depois, chamou a atenção da poderosa DIA, a Agência de Inteligência da Defesa, o braço de espionagem mais importante do Pentágono. Em setembro de 1976, agentes da DIA em Buenos Aires transmitiram a Washington um quadro mais claro da integração repressiva do Brasil com a Argentina e o Uruguai. O telegrama secreto de 22 de setembro do DIA, repassado à Casa Branca, Pentágono, Departamento de Estado, NSA e CIA, resume com clareza inédita o nível de coordenação, apesar dos trechos censurados. O documento relata a presença de três homens, em trajes civis, embarcando no setor militar do Aeroparque, o aeroporto a dois quilômetros do coração de Buenos Aires. Diz o telegrama:

Em 15 de setembro de 1976… Roberto Viola, chefe do Estado-Maior do Exército, o general brigadeiro Suarez Masón, comandante do I Corpo de Exército, e o coronel Juan Saa, Assistente G-2 do Exército [estavam] a caminho de Montevidéu… Um veterano coronel de Exército responsável pela Inteligência argentina… está viajando a Brasília em 17 de setembro de 1976 para discutir assuntos de inteligência com as Forças Armadas brasileiras… [uma fonte não identificada informa] que a missão era secreta e que o Exército argentino estava trocando informações sobre subversão… ele sugeriu que este tipo de coordenação não era nova, mas não estabeleceu qual era a extensão dessa coordenação, além da troca de informações de inteligência.

[…] muito do sucesso desfrutado recentemente na batalha contra a subversão pode ser atribuído à eficiência da organização e dos procedimentos de inteligência…[segundo] três oficiais militares […], um de cada uma das Forças Armadas. Quando a informação de inteligência é recebida pela polícia ela é rapidamente disseminada para o Exército, Marinha e Força Aérea e vice-versa… [a fonte] descreveu a velocidade de disseminação dizendo que a informação literalmente voava de um quartel-general ao outro, assim, as operações são montadas, algumas vezes em questão de horas, para explorar a vantagem antes que os terroristas tenham tempo para reagir.

O comentário final do telegrama secreto da agência militar de inteligência americana é incisivo:

A visita do oficial do Exército ao Brasil fornece uma sólida informação de que os argentinos estão coordenando ativamente com seus vizinhos em temas de contra-insurgência. Embora o propósito da viagem de Viola não seja claro, ela pode ter sido para coordenar atividades antissubversivas. As atividades diárias de Viola são usualmente cobertas pela imprensa, mas desta vez não há menção à sua viagem.

Os generais que matam

Na irmandade da Condor, como supõe corretamente o desbocado Bolsonaro na entrevista ao La Nación, a ditadura brasileira não era um primo distante, alheio, alienado. O Brasil era apenas o irmão mais velho, mais forte, mais influente — talvez o mais dissimulado, certamente o mais cínico —, que fez o que era necessário fazer para organizar e sustentar a máquina de morte montada pelas ditaduras irmãs do Cone Sul. O Brasil não fez menos do que ninguém e, às vezes, fez primeiro e fez pior. Com exceção do Paraguai, a ditadura no Brasil era mais antiga do que a dos vizinhos — nove anos mais precoce do que a do Uruguai e do Chile, 12 anos mais velha do que a da Argentina. Com a maioridade de seus 21 anos, o regime militar brasileiro durou quatro anos mais que o chileno, nove mais que o uruguaio, 14 mais que o argentino — e sem brandura. A Condor foi apenas a cereja desse bolo autoritário que derramou sangue, medo e pavor pelo sul do continente.

Incapaz de superar o seu pétreo fanatismo anticomunista, Bolsonaro dificilmente entenderá que a Operação Condor, com um saldo de morte e sofrimento que jamais poderá ser quantificado, tornou-se a mais articuladas e ampla manifestação de terrorismo de Estado na história mundial. Winston Churchill resumiu, em agosto de 1940, a bravura dos escassos pilotos da RAF ao enfrentar a esmagadora superioridade aérea da Luftwaffe de Hitler que tentava subjugar a Inglaterra no início da Segunda Guerra Mundial: “Nunca tantos deveram tanto a tão poucos”.

Por razões morais e circunstâncias históricas absolutamente opostas, algo semelhante se poderia dizer da Condor. Nunca houve, nem mesmo em períodos de guerras ou conflitos internos, uma coordenação tão extensa entre tantos países para um combate tão impiedoso e sangrento a grupos de dissensão política ou de luta armadas, confrontados à margem das leis por técnicas consagradas no submundo do crime. A Operação Condor trouxe para dentro do Estado ilegítimo das ditaduras as práticas ilegais da violência de bandos paramilitares, transformando agentes da lei em executores ou cúmplices encapuzados de uma política oficial de extermínio. Antes do próximo e açodado elogio, seria prudente que Bolsonaro entendesse que a Operação Condor — graças à especialidade matadora que ele tão bem conhece na condição de capitão — criminalizou os regimes militares do Cone Sul.

O Exército brasileiro não tinha apenas capitães, como Bolsonaro, especializados em matar. Os generais também mandavam matar. Em janeiro de 1971, o general Humberto de Souza Mello assumiu o comando do II Exército, em São Paulo, onde já funcionava a usina de morte do DOI-CODI. Em visita ao antro comandado pelo herói de Bolsonaro, o então major Brilhante Ustra, o general Souza Mello foi claro na diretriz assassina que deu ao delegado David dos Santos Araújo, codinome Capitão José Lisboa: “Matem os terroristas, matem os carteiros que entregam suas cartas. [Matem] os familiares, os amigos, seja o que for. Só não quero que morra nenhum de vocês”, ordenou o general ao delegado, segundo depoimento dele a Percival de Souza, no livro Autópsia do Medo, a melhor biografia do sinistro Sérgio Paranhos Fleury, o delegado do DOPS que não era capitão, mas também se tornara um especialista em morte na ditadura.

A obsessão assassina era de pleno conhecimento do general que comandava todos eles, o presidente Ernesto Geisel. O general Vicente de Paulo Dale Coutinho, ministro do Exército no início do governo, lembrou a Geisel três anos depois, em fevereiro de 1974: “Eu vi [o trabalho de Souza Mello] em São Paulo, e justiça se faça ao Humberto. Quando começou o comando do Humberto, começou a diminuir o terror, porque a ordem dele era matar. A ordem dele era matar”, repetiu Dale Coutinho [sem nenhuma contestação de Geisel]. O diálogo é relatado por Elio Gaspari em A Ditadura Escancarada.

serial killer fardado

Aqui, mais uma vez, o Brasil chegou à frente da Argentina. A frase de 1971 do general Souza Mello, confissão demente de um serial-killer fardado e matriz do pensamento matador que contaminava o Exército brasileiro e seduziria o futuro capitão Bolsonaro, inspirou cinco anos depois uma boçalidade semelhante do general argentino Ibérico Saint Jean, nomeado interventor na província de Buenos Aires. Em maio de 1976, dois meses após o golpe de Videla, o general Saint Jean trovejou: “Primeiro, mataremos todos os subversivos. Depois, seus colaboradores. Mais tarde, os seus simpatizantes. Então, mataremos os que permanecerem indiferentes. E, finalmente, vamos matar os indecisos…” A intimidade nada retórica das ditaduras de Brasil e Argentina, base para a conexão da Condor entre os dois mais fortes regimes do Cone Sul, desmente a blandícia dos generais brasileiros e realça a face sangrenta dos argentinos.

As portas do inferno na Argentina abriram-se, de par em par, no vizinho Uruguai, um ano antes da frase truculenta do general Saint Jean. Montevidéu sediou, em cinco dias de outubro de 1975, a 11ª reunião da CEA, a Conferência dos Exércitos Americanos, com os comandantes fardados da repressão mais celerada do continente. Ali despontou um novato no encontro, o general argentino Jorge Rafael Videla, nomeado comandante do Exército há menos de dois meses pela presidente Isabelita Perón. O argentino não mostrou nenhum acanhamento pelo noviciado. Com a arrogância típica de uma força que não vê limites, ganhou as manchetes dos jornais ao antecipar em Montevidéu o futuro agourento que se abateria em breve sobre seu país: “Se for preciso, deverão morrer na Argentina todas as pessoas necessárias para alcançar a segurança do país…”, avisou Videla, seis meses antes de liderar o golpe que matou e fez desaparecer 30 mil pessoas que “ameaçavam” a segurança nacional. Ou seja, Videla realizou na Argentina o projeto de sangue que Bolsonaro queria ver aos borbotões no Brasil…

O sonho do capitão, porém, acabou virando um pesadelo para os generais argentinos.

O general e o papel higiênico

O general Ibérico Saint Jean, que sonhava exterminar subversivos, colaboradores, simpatizantes, indiferentes e indecisos, caiu em desgraça com a queda da ditadura, em 1983. Foi preso e condenado por crimes de lesa humanidade e tortura em 61 pessoas. Já na democracia ainda se gabava de ser responsável pelo desaparecimento de “uns cinco mil subversivos”. Cumpria pena em casa e morreu no Hospital Militar Central de Buenos Aires, em outubro de 2012, aos 90 anos.

O general Jorge Rafael Videla teve pior sorte.  Em dezembro de 2010 foi condenado à prisão perpétua por crimes de lesa humanidade e a morte de 31 presos políticos. Em 2012, ganhou mais 50 anos de prisão pelo sequestro de bebês durante seu governo, sendo encarcerado na base militar de Campo de Mayo, em Buenos Aires, onde ele instalara El Campito, o maior dos 380 centros clandestinos de detenção espalhados pelo país. Ali passaram 5 mil presos, apenas 43 sobreviveram. Em entrevista coletiva concedida na Casa Rosada em 1979, no auge de seu poder como ditador, Videla definiu a questão crucial dos milhares de desaparecidos que assombravam a consciência nacional, com uma frieza que deixaria o capitão Bolsonaro deslumbrado. Disse Videla: “Um desaparecido é uma incógnita. Não tem entidade. Não está nem morto, nem vivo. Está desaparecido. Frente a isso não podemos fazer nada…”.  Em 2012, em entrevista ao jornalista Ceferino Reato para o livro Disposición Final, admitiu ser o responsável direto pela morte e desaparecimento de algo “entre 7 mil e 8 mil pessoas”, reconhecendo: “Eu sabia de tudo o que estava acontecendo e autorizei tudo. Tenho peso na alma, mas não me arrependo de nada”.

A melhor descrição de sua morte inusitada, em 17 de maio de 2013, aos 87 anos, no cárcere onde cumpria pena perpétua, coube ao jornalista Ariel Palácios, brasileiro nascido em Buenos Aires e correspondente da GloboNews. Em texto que mescla o drama de um tango com o humor negro de uma tragédia argentina, ele escreveu:

Alguns generais morrem em campo de batalha. Outros falecem no leito doméstico, pronunciando supostas frases patrióticas. Alguns morrem assassinados em revoluções, golpes e complôs. Outros caem do cavalo (sem metáforas) e fraturam o pescoço. Mas, até agora, não havia registros de um ex-ditador/general sul-americano que tenha morrido sentado no vaso sanitário, ao lado de um prosaico rolinho de papel higiênico. Jorge Rafael Videla encerrou sua carreira desta forma, com um óbito digno de entrar nos anais da História.

O ex-ditador, que havia tido disenteria na véspera, acordou após uma noite com problemas estomacais e intestinais e sentou-se no vaso. Ali, na posição clássica do Pensador de Rodin, o general viveu seus últimos momentos, como uma estátua sedestre que trabalhava mais com os intestinos do que com o cérebro. Às 6h40 da manhã, um dos guardas de plantão olhou pelo visor da cela e viu o general sentado no vaso, com as calças do pijama arriadas. Pouco depois, na segunda ronda, o guarda percebeu que Videla permanecia estático, na mesma posição, reclinado para a frente. Um médico foi chamado e, ao entrar na cela, perceberam que o general de mão pesada da ditadura não tinha pulso. Assim, dessa forma escatológica, finou-se o personagem da pior ditadura do país.

Os generais Videla e Saint Jean são a face mais indecente do passado da Argentina.

O capitão Jair Bolsonaro é a cara mais indecorosa do presente do Brasil.

*Luiz Cláudio Cunha, jornalista, foi consultor do GT da Operação Condor na Comissão Nacional da Verdade e é autor de Operação Condor: o Sequestro dos Uruguaios(L&PM, 2008). 

Imagem destacada: Bolsonaro: o primeiro presidente a falar na Operação Condor… …que Médici, Geisel e Figueiredo fingiam não conhecer.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

dezesseis + cinco =