Assembleia da COIAB definirá futuro do movimento indígena amazônico

Durante o encontro, que reunirá lideranças de toda a Amazônia brasileira, nova diretoria da será eleita. Quem assumir terá a responsabilidade histórica de liderar a resistência do movimento indígena regional.

Na APIB

Às vésperas de completar seus 30 anos, a COIAB (Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira) realizará entre os dias 28-30 de agosto, a sua XI Assembleia geral, reunindo 600 lideranças indígenas de toda a Amazônia brasileira na Terra Indígena Alto Rio Guamá, localizada no município de Santa Luzia do Pará.

Produzida em parceria com a FEPIPA (Federação dos Povos Indígenas do Pará), durante o encontro ocorrerão as eleições gerais da Coordenação, quando será escolhida/o oa/o nova/o coordenadora/o geral, além de todo o corpo diretivo que comporá os conselhos Executivo, Deliberativo e Fiscal. A programação também contará com rodas de diálogos sobre os temas fundamentais para os povos indígenas da região, entre eles, terra, saúde, educação, comunicação, desenvolvimento sustentável e geração de renda, além de apresentações culturais, mostra de vídeos e feirinha de artesanato indígena.

Segundo Nara Baré, atual tesoureira e candidata à coordenação geral, a XI Assembleia será um dos momentos mais importantes da história da COIAB, uma vez que a conjuntura política nacional, desde sua fundação, nunca foi tão adversa quanto a atual. “O Brasil viveu um golpe político-parlamentar de caráter racista, machista e ruralista, e desde então se agravaram os ataques aos nossos direitos originários e constitucionais”, avaliou. Para ela, é fundamental que a organização esteja pronta para dar as respostas que o momento político precisa. “O tamanho da COIAB é o tamanho da responsabilidade que temos com os povos indígenas de todo o Brasil”, defendeu.

Sobre a COIAB
Fundada em 1989 e sediada na cidade de Manaus, a COIAB é a maior organização indígena do Brasil. Ao todo, representa 160 povos de 09 estados amazônicos. São eles: Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. Juntos, abrangem cerca de 60% do total da população indígena do país, cerca de 440 mil pessoas. Somado a isso, reúnem 403 Terras Indígenas demarcadas e ainda muitos outros territórios que ainda não foram regularizados.

Criada com a missão de defender direitos a terra, saúde, educação, cultura e sustentabilidade dos povos e organizações indígenas, considerando as suas diversidades e visando sua autonomia, reúne ainda 200 organizações, como associações locais, federações regionais, organizações de mulheres indígenas, de professores indígenas, de agentes ambientais e agroflorestais, de alunos indígenas e outros

Além da força nacional e de seu papel na base da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil – APIB, a COIAB possui também uma ampla articulação internacional. É vinculada a Coordenação das Organizações Indígenas da Bacia Amazônica – COICA, uma das maiores organizações indígenas do mundo e de representatividade internacional, que abrange 09 países da bacia amazônica.

Histórico
A consolidação do movimento indígena organizado e as perspectivas de futuro dos povos do Brasil se fortaleceram mais a partir da década de 90, tendo a COIAB um papel importante nesse cenário. Estima-se que em 1985 havia no Brasil menos de 50 organizações indígenas. Em 1990 esse número saltou para cerca de 100, ultrapassando em 2002, somente na Amazônia, mais de 300 organizações¹ (Fonte: PDPI – Projeto Demonstrativo dos Povos Indígenas).

Nas duas últimas décadas houve progressiva consolidação da participação indígena em diferentes espaços de políticas públicas que tratam das questões relativas aos povos indígenas e nas instâncias políticas representativas, como câmaras municipais, prefeituras, conselhos e governos estaduais. O envolvimento de lideranças em importantes discussões temáticos em nível nacional e internacional, como saúde e educação, possibilitou maior capacitação das lideranças nos processos de discussão e incidência política. A conquista desses passos possibilitou que a COIAB se tornasse uma das principais interlocutoras dos povos indígenas da Amazônia frente ao governo e a sociedade brasileira.

Sobre as eleições e a composição da COIAB
Realizada de 4 em 4 anos, as eleições gerais da COIAB contará com a participação de 276 delegada/os representativo/as das 46 regiões amazônicas para deliberar sobre a composição da Coordenação Executiva e do Conselho Deliberativo e Fiscal (CONDEF). O CONDEF funciona como um órgão consultivo, de assessoria e deliberativo da Coordenação Executiva e é formado pelos representantes das 46 regionais de base da Coordenação.

Já a Coordenação Executiva é a instância de execução, formada por um (a) Coordenador (a) Geral, um (a) Vice-Coordenador (a), um (a) Coordenador (a) Secretário e um (a) Coordenador (a) Tesoureiro.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.